Simone Cupello vive e trabalha no Rio de Janeiro.
Investiga imagens em campo ampliado adotando fotografias apropriadas como principal elemento de trabalho. O uso pouco convencional das fotografias, aponta para onde sua pesquisa se desenvolve: a materialidade da imagem e, junto a ela, à questões antagônicas, inerentes ao histórico das fotos, como tecnologia e afetos, presença e virtualidade, exibição e privacidade, memória e esquecimento. Através de seu acervo cria instalações/esculturas que ao serem esculpidas assumem formas orgânicas semelhantes às da natureza que, ao mesmo tempo que remetem ao que é palpável e físico, trazem à tona o alegórico, a forma forjada da paisagem.
Nos últimos anos, realizou as individuais Jardim de Yeda (Central Galeria), Entornos (Centro Cultural Cândido Mendes), Olhares Privados (Centro Cultural Justiça Federal) e Extracampos (Projeto “Mesmo Lugar”, Hermes Artes Visuais). Participou das exposições Arte Londrina 7 (Universidade de Londrina), 43°SARP (Museu de Arte Ribeirão Preto), 2ª edição Frestas Trienal de Artes (Sesc Sorocaba), The Role of Image (One Paved Court, Richmond, UK), MONU – A Arte Delas (Marina da Glória), Fotos Contam Fatos (Galeria Vermelho), Abre Alas 12 (Galeria A Gentil Carioca), Contraprova (Paço das Artes), Mostra Bienal Caixa de Novos Artistas (Caixas Culturais do país), Díptico – Simone Cupello e Victor Haim (Ateliê da Imagem), entre outras. Teve mostras individuais na ArtRio 2019 e SP-Arte 2018 representando a Central Galeria de São Paulo. Consta do acervo do Museu de Arte do Rio.

 

Simone Cupello

SUB | 2007

Vídeo, 4’ 16”

Tiragem: 6 + 2 P.A.

Uma das primeiras obras da artista, possui o cerne de sua investigação sobre materialidade nas imagens. Naquele momento, Cupello utilizava o próprio corpo em experimentações que relacionam as superfícies de vídeos e fotografias com as de paredes e materiais de revestimento (tacos, azulejos, tijolos à vista etc) e que, posteriormente, a levaram a tridimensionalidade e a instalações onde fotografias aparecem incrustadas em paredes reais.

A obra SUB, em que Cupello é vista nua movendo-se sob os tacos de seu apartamento, foi originalmente concebida como videoinstalação e projetada em escala real no chão da capela excomungada do Solar do Unhão, Salvador, durante

o 14° Salão da Bahia, em 2007.

Hoje, a superfície da imagem volta a ser tema para a artista através da série “Virtualidades Matéricas” na qual utiliza o repertório acumulado de suas experiências tridimensionais.

obras relacionadas

SCupello_1000x1000-e-cada-um.jpg

 

Simone Cupello

1000 x 1000 E CADA UM | 2017
Série VIRTUALIDADES MATÉRICAS
Fotografia
Impressão em papel algodão
40 x 144 cm
Edição: 1/ 5 + 2 P.A.